Publicada em: 05/01/2021 10:55

Projeto de docente da UEA conecta paisagens urbanas com grafismo

Transformar paisagens urbanas em espaços artísticos tem sido a proposta de um projeto idealizado pelo professor da Escola Superior de Artes e Turismo da Universidade do Estado do Amazonas (ESAT/UEA), João Fernandes. Desde dezembro de 2020, diversos pontos do centro de Manaus têm recebido uma nova aparência com grafites de artistas parintinenses que derem luz, cor e beleza onde existia escuridão e medo.

O projeto "Grafite é Arte" que surgiu em janeiro de 2019, recebeu o Prêmio Conexões Culturais - Lei Aldair Blanc. O professor João explica que a ideia inicialmente é deixar, principalmente, os pontos de ônibus do Centro da cidade, um lugar habitável e mais iluminado, para que as pessoas se sintam tranquilas e conectadas ao universo da arte. Ele destaca ainda que a população abraçou o projeto e mostrou que quer uma cidade melhor e mais bonita.

"Tínhamos um enorme desejo de realizarmos esse projeto para transformar o visual do centro, que é nosso lugar de habitação, nossa comunidade. Foi então que, em parceria com os ¿Curumins¿ - projeto com artistas parintinenses, grafitamos um muro que fica em frente ao casarão de ideias. Logo após fomos contemplados com um auxilio para propostas culturais e, partir daí, vimos a oportunidade de ampliar esse projeto para outros lugares. Até o momento já transformamos dois pontos de ônibus da Getúlio Vargas, faltando apenas um para finalizarmos essa primeira etapa. Esses lugares emitiam a sensação de perigo, de escuridão, mas hoje transmitem luz, vida e arte. O reconhecimento a nossa arte nos revigora e nos dá a certeza para continuarmos", disse.

Arte na UEA

Por fim, João revela que o próximo passo é ampliar essa iniciativa para a comunidade acadêmica da UEA. "A nossa expectativa é que na segunda etapa, essa ação vire um projeto de extensão para alunos da nossa UEA. Queremos aproximar a comunidade da universidade. São essas pequenas atitudes que vão transformando a nossa cidade e, assim, vamos contribuindo com a nossa parcela que é a arte. Essa é uma relação com a cidade e com as pessoas, para que nesse contexto, ambas mergulhem na questão cultural e artísticas", destacou.

Texto: Gerson Freitas/ASCOM UEA
Foto: Divulgação